Using olympic values in sports as an alternative to an holistic education

Authors

  • Carlos Eduardo Dunshee de Abranches Jardim Filho N/A

DOI:

https://doi.org/10.30937/2526-6314.v6.id148

Keywords:

holistic education, Olympic values, BNCC, sports

Abstract

Sport involves values that are key to the development of society and that can be used for the education of youngsters. Pierre de Coubertin, when establishing the Olympic Movement, one of the foundations of modern sport, argued that sport should be used as a mean to teach such values that are indispensable to life in society. In the Olympic values, daily sports practice encompasses several activities, becoming an important tool for a comprehensive education of youngster. Therefore, in physical education classes, teachers can pass on to students’ values such as discipline, respect, dedication, persistence, development of group work, healthy lifestyle, coexistence with interpersonal differences, inclusion, and the broadening of life perspectives. The practice of sports at school is, above all, affective, and from the values transmitted in this environment, a culture is created that youngsters take with them for life. These values and the skills, mentioned before, are part of what we now call socioemotional skills, which are part of the Common National Curriculum Base (BNCC), the mandatory national reference for schools to develop their educational projects, and is committed to the full development of students. The purpose of this article is to show how sport, through Physical Education classes at school - and the values of Olympism integrated into it - collaborates for the integral development of youngsters, considering their physical, emotional, intellectual, and social development and meet the new pedagogical requirements of the BNCC.

Downloads

Download data is not yet available.

References

Sadi RS, Daolio J, Brito M, Azevedo AA, Suassuna S, Souza A. Esporte e sociedade. Brasília: Universidade de Brasília/CEAD; 2004.

Marinho T. Da natureza poética do desporto: para uma formação da sensibilidade estética. Revista da Sociedade Científica de Pedagogia do Desporto. 2014;4(1):19-24.

Perez CR, Zimmermann MA. Educação Olímpica e a Base Nacional Comum Curricular (BNCC): uma aproximação entre esporte e educação. Olimpianos – Journal of Olympic Studies. 2018; 2(3):555-568.

Assis P. Efeitos e Benefícios Psicológicos da Actividade Física (PARTE II) [citado 12 dez 2021]. 2007 Nov 26. Disponível em: http://psico-desporto.blogspot.com/2007/11/efeitos-e-benefcios-psicolgicos-da_26.html.

Santin S. Educação Física: uma abordagem filosófica da corporeidade. Ijuí: Ed. Unijuí; 1987.

Casanova RGQ. Holismo: consequencias de una errónea interpretación. Rol de enfermeira. 1992; 165: p. 65 – 67.

Tough P. Um questão de caráter. Rio de Janeiro: Editora Intrínseca Ltda; 2012.

Gadotti M. Educação integral no Brasil – inovações em processo. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire; 2009.

Camargo TD, Souza DO. A educação integral como possibilitadora da construção da cultura da paz e de uma ética universal. Comunicação apresentada na conferência XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências; 2017 Jul 3-6; Florianópolis, Brasil.

Freire P. A educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 2019.

Freire P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 2019.

North P. Icelandic youth [citado 9 dez 2021]. Londres: Paul North; 2015. Disponível em: https://volteface.me/publications/iceland-report.

Young E. Iceland knows how to stop teen substance abuse, but the rest of the world isn’t listening [citado 9 dez 2021]. 2017 Jan 17. Disponível em: https://mosaicscience.com/story/iceland-prevent-teen-substance-abuse.

Dias JR. A educação de adultos. Introdução histórica. (Dissertação de mestrado). Braga: Universidade do Minho; 1982.

Monteiro MD. As manifestações Afetivas nas aulas de Educação Física: Análise de uma classe de 3ª série do ensino fundamental na perspectiva de Henri Wallon (Dissertação de mestrado). São Paulo (SP): Pontifícia Universidade Católica; 2006.

Betti M. Cultura corporal e cultura esportiva. Rev. paul. educ. fís. 1993;7(2):44-51.

Zimmermann MA, Rubio K. A lembrança do professor de Educação Física: a presença de Quíron no processo de formação do atleta. In: Rubio K (ed.). Narrativas biográficas: da busca à construção de um método. São Paulo: Editora Laços. 2016: p. 261-277.

Lima DAS. Técnico-Mestre e Atleta-Herói: uma leitura simbólica dos mitos de Quíron e do Herói entre técnicos de voleibol (Dissertação de mestrado). São Paulo (SP): Escola de Educação Física e Esporte, Universidade de São Paulo; 2012.

Rubio K. Memórias e narrativas biográficas de atletas olímpicos brasileiros. In: K. Rubio (Org.). Preservação da memória: a responsabilidade social dos Jogos Olímpicos. São Paulo: Képos; 2014.

Huizinga J. Homo ludens: o jogo como elemento na cultura. São Paulo: Perspectiva; 2010.

Gonçalves MAS. Sentir, pensar, agir: corporeidade e educação. Campinas: Papirus; 1994.

Freire JB. Pedagogia do Futebol. Campinas: Editora Autores Associados Ltda; 2011.

Lenk H. Toward a social philosophy of the Olympics: Values, aims and reality of the modern Olympic movement. West Point (NY): Leisure Press; 1976.

Bauman Z. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Lisboa: Relógio d´Água; 2006.

Published

2022-02-17

Issue

Section

Original Article